Aneurisma

O que é o aneurisma de aorta e por que ele surge?

Aneurisma é uma dilatação anormal, localizada e permanente de uma artéria como conseqüência de um enfraquecimento de sua parede, ou de extrema exigência sobre a estrutura normal da parede da artéria. Essa dilatação vai aumentando pela tensão na parede da aorta.

Quando o diâmetro de uma artéria ultrapassa mais de 50% do tamanho considerado como normal, surge um aneurisma. A priori, qualquer artéria do corpo pode apresentar um aneurisma.

A aorta é a principal artéria do organismo e responsável por conduzir o sangue ejetado pelo coração para todos os órgãos. O diâmetro normal está entre 1,5 e 2,5 cm. Estudos demonstraram que, se chegar a 5cm, há risco eminente de complicações.

Aneurisma da aorta abdominal define o aneurisma que ocorre no segmento da aorta que já se encontra dentro do abdome (lembre-se que a aorta começa no torax, junto ao coração), abaixo das artérias que irrigam os rins e sem, portanto, comprometê-los. É o tipo de aneurisma mais frequente.

Entretanto, o aneurisma de aorta pode manifestar-se em qualquer um dos seus seguimentos – porção torácica ou abdominal.

O surgimento do aneurisma está relacionado ao processo inflamatório que leva ao acúmulo de placas de colesterol na parede das artérias, o que compromete sua elasticidade normal. Os principais fatores de risco dessa condição são pressão alta, fumo, idade avançada, história familiar, altos níveis de colesterol e diabetes.

Quais são os sinais e sintomas do aneurisma da aorta abdominal?

Os aneurismas de aorta abdominal evoluem, na maioria das vezes, silenciosamente, pois não causam qualquer sintoma, e são descobertos durante um exame clínico ou outros exames, como raio-X, ultra-som etc. Normalmente os sintomas aparecem quando o aneurisma fica muito grande, causando a “sensação de coração batendo na barriga”, ou quando comprimem e corroem estruturas vizinhas, causando “dor e desconforto abdominal”.

Os sintomas também podem ocorrer apenas quando há alguma das temidas complicações dos aneurismas, entre elas:
– Trombose ou embolia das artérias abaixo do aneurisma: dor muito forte nas pernas por falta de sangue
– Rotura do aneurisma (é a complicação mais freqüente): dor súbita no abdome ou costas associada a queda de pressão, palidez ou mesmo desmaio.
– Rotura para intestino: sangramento pela boca ou nas fezes.

As complicações de rotura causam a morte de 50% dos pacientes antes mesmo de sua chegada ao hospital. Entre os que são atendidos e operados, apenas 20% sobrevivem.

O que acontece se o aneurisma não for tratado?

O Aneurisma da Aorta Abdominal, quando não tratado, evolui para rotura, como descrito anteriormente. Essa condição está associada a grande risco de morte.

Como saber se devo fazer algum exame para detectar se tenho aneurisma de aorta?

O aneurisma de aorta abdominal ocorre com mais freqüência em homens acima dos 55 anos. Acredita-se que 2 a 5% dos homens com mais de 60 anos sejam portadores de aneurisma de aorta. Por esse aspecto, vale salientar a importância de um exame clínico cuidadoso do abdome em pacientes acima de 55 anos, assim como realização de ultra-som abdominal, principalmente nos pacientes com os fatores de risco descritos anteriormente.

Por já ter sido demonstrada uma tendência genética, familiares de pacientes portadores de aneurisma de aorta que tenham mais de 55 anos, principalmente os homens fumantes, devem ser submetidos a exames de rastreamento.

Como é o tratamento do aneurisma?

Dependendo das características do aneurisma, o tratamento pode ser cirúrgico ou não. Quando o aneurisma é de pequenas dimensões (menor que 5 cm de diâmetro) ele pode ser acompanhado por ultrassonografias periódicas para se avaliar a velocidade de crescimento.

Quando diagnosticado precocemente, o tratamento clínico, com controle dos fatores de risco, possui excelentes resultados, o que pode evitar a progressão e complicações do aneurisma. Já em fases avançadas, pode haver a necessidade do tratamento cirúrgico, cuja decisão depende do diâmetro da aorta, presença de sintomas, demais doenças e do estado clínico do paciente. De uma maneira geral, o aneurisma que apresenta 5cm ou mais de diâmetro deve ser tratado cirurgicamente, a não ser que as condições clínicas do paciente não permitam. Também deve ser tratado cirurgicamente o aneurisma que apresenta crescimento rápido.

Como é o tratamento cirúrgico do aneurisma?

A cirurgia para tratamento do aneurisma pode ser convencional ou endovascular. A cirurgia convencional é de grande porte, porém bem padronizada e com índice baixo de complicações. Nessa técnica, o abdome é todo aberto e a aorta dilatada é substituida por um tubo de material especial. O pós-operatório é realizado em UTI e o paciente normalmente recebe alta em 7 dias. O retorno às atividades normais ocorre apenas 30 dias após a cirurgia.

Na cirurgia endovascular, faz-se uma pequena incisão na virilha e, através da artéria aí localizada, é implantada uma prótese e levada até o interior do aneurisma. Isso resulta no isolamento da região dilatada da aorta sem a necessidade de abrir o abdome. Trata-se de procedimento mais simples do que a operação convencional, com recuperação mais rápida do paciente: a alta hospitalar costuma ocorrer em 3-4 dias.

No entanto, somente alguns aneurismas apresentam características anatômicas e condições necessárias para serem assim tratados.

Quais são as complicações possíveis na cirurgia do aneurisma?

O índice de complicações na cirurgia do aneurisma da aorta abdominal é baixo (5%), sendo um pouco maior na cirurgia dos aneurismas de aorta tóraco-abdominal (acima das artérias dos rins). As principais intercorrências na cirurgia do aneurisma de aorta são: hemorragia, infarto do coração, falência dos rins, complicações pulmonares, derrame, isquemia do intestino e das pernas e paraplegia.