Carótida

ESTENOSE DE ARTÉRIA CARÓTIDA

O que é a doença da artéria carótida?

As artérias carótidas, que estão localizadas no pescoço, levam o sangue oxigenado para o cérebro. A doença da artéria carótida ocorre quando uma placa estreita o obstrui totalmente essas artérias. Essa placa é composta de colesterol, cálcio e tecido fibroso, que causa um endurecimento progressivo das paredes da artéria. À medida em que a placa cresce, o interior da artéria se torna cada vez mais estreito. Isso perturba o fluxo de sangue para o cérebro e outros órgãos e tecidos. Isso é o que chamamos de estenose carotídea.

Essa doença é um sério problema de saúde que pode causar um Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou “derrame”. A consequência é o dano ao cérebro que ocorre pela interrupção do fluxo sanguíneo ou a partir de um coágulo de sangue que rompe e viaja para o cérebro.

O AVC pode causar dificuldade para falar, fraqueza, paralisia, etc. O seu médico pode aconselhar o tratamento cirúrgico para reduzir o risco de AVC.

Fatores de Risco para a Doença da Artéria Carótida

  • História familiar da doença
  • Diabetes
  • Fumar
  • Colesterol alto
  • Pressão Alta
Quais são os sintomas?

Nos estágios iniciais, a doença da artéria carótida pode não causar sintomas. O primeiro sinal de doença pode ser um AVC ou um ataque isquêmico transitório (AIT). Um AIT “mini AVC”, que produz sintomas semelhantes aos da AVC que duram de alguns minutos a algumas horas.

Quais são os sintomas de  AVC ou AIT?

Os sintomas de um ataque isquêmico transitório e acidente vascular cerebral são basicamente os mesmos:

  • Fraqueza, dormência ou sensação de formigamento em um lado do seu corpo
  • perda repentina da visão em um olho (sensação de uma cortina sendo puxada sobre um dos olhos)
  • Dificuldade em falar claramente
  • dificuldade repentina para caminhar, tonturas, perda de equilíbrio ou de coordenação.

Os sintomas de um AIT se resolvem completamente dentro de 24 horas. Se os sintomas não se resolverem, um acidente vascular cerebral provavelmente ocorreu. A avaliação médica deve ocorrer o mais breve possível quando surgirem quaisquer desses sintomas.

Como saber se eu tenho a doença da artéria carótida?

O primeiro passo é realizar uma consulta médica de rotina. Esse exame pode identificar os fatores de risco para a doença, bem como a presença de um “sopro” na região do pescoço que pode indicar a presença da doença.

Após o exame, o médico pode prosseguir com estudos de imagem. Estes incluem:

  • Ecodoppler da carótida: exame incial que pode detectar a presença da doença
  • Tomografia Computadorizada
  • Angio-ressonância Magnética (ARM):
  • Angiografia: tipo de cateterismo que possibilita esclarecer dúvidas deixadas pelos outros métodos ou mesmo realizar o tratamento.
Opções de Tratamento

O seu médico irá determinar o tratamento adequado, dependendo do grau de estreitamento (estenose), se você tem ou não sintomas, e suas condições de saúde.

Se você não tem sintomas, com um grau mínimo de estreitamento, seu médico pode optar por acompanhar a sua doença uma vez por ano ou mais com um ecodoppler da carótida. Isto irá monitorar a progressão do estreitamento na sua artéria carótida.

Se você tem uma estenose significativa, ou apresenta sintomas de AIT ou AVC, pode ser um candidato para uma intervenção cirúrgica.

Atualmente, existem duas opções de tratamento cirúrgico disponíveis: a cirurgia convencional ou a angioplastia (por cateterismo). Seu médico irá determinar qual opção de tratamento é melhor para você.

Cirurgia Convencional:

Envolve a remoção da placa do interior da artéria carótida através de uma incisão em seu pescoço. Geralmente necessita 48 horas de internação após a cirurgia.

Angioplastia:

é um procedimento minimamente invasivo desenvolvido recentemente, geralmente realizada sob anestesia local, para tratar a carótida. Costuma ser a preferência para pacientes com alto risco cirúrgico. Envolve o acesso da circulação através de um pequeno cateter na virilha e a passagem de material para o tratamento a partir desse ponto. A região doente é dilatada com um stent (tubo de malha metálica) e um balão. A alta acontece geralmente em 24 horas.