Estenose da artéria renal

HIPERTENSÃO RENOVASCULAR

Os rins e as artérias renais

O rim é um dos dois órgãos que funciona como um filtro para remover resíduos e o excesso de fluidos do sangue. Ele produz a urina e através dela ajudar a regular a água, eletrólitos (Sais) e o equilíbrio ácido-base (pH) do sangue. Por essa razão, os rins recebem cerca de um terço do fluxo sanguíneo do corpo e desempenha um papel importante na regulação da pressão arterial. As artérias que levam o sangue para os rins são chamadas de artérias renais.

Estenose da Artéria Renal

Doença da artéria renal é a doença arterial periférica (leia DAOP), que ocorre nos vasos sanguíneos principais dos rins. Com o envelhecimento, os depósitos de gordura e / ou de cálcio (também referida como placa ateromatosa) acumulam-se no interior das nossas artérias. Este acúmulo é uma doença conhecida como Aterosclerose.

A aterosclerose é uma doença progressiva, que envolve o endurecimento e estreitamento das artérias devido ao crescimento da placa de ateroma, que pode progredir até causar uma estenose da artéria (um estreitamento) ou mesmo uma oclusão total (ausência de fluxo de sangue) do artéria.

Se o estreitamento da artéria renal é significativo, o rim incorretamente “sente” que a pressão sanguínea está muito baixa (pois recebe o sangue com baixa pressão por causa da obstrução) e envia sinais para que o corpo aumente a pressão arterial. Isso provoca uma elevação na pressão arterial em todo o organismo (hipertensão). Sabe-se que a Hipertensão acelera a progressão da Aterosclerose em todo o corpo (inclusive na própria artéria renal doente), além de aumentar o esforço do coração. A restrição do fluxo de sangue para o rim também pode resultar na redução da capacidade dos rins de remover os resíduos e fluidos do corpo, entidade conhecida como insuficiência renal.

Como é feito o diagnóstico da Estenose de Artéria Renal?

A avaliação clínica dos sintomas e seus fatores de risco (incluindo excesso de peso, tabagismo, colesterol alto e histórico familiar de doença arterial periférica) pelo médico são importantes
para fazer o diagnóstico. Testes como o ecodoppler de artérias renais, a tomografia computadorizada, ressonância magnética, exames de sangue ou mesmo uma arteriografia (“cateterismo”) podem ser necessários durante a investigação.

Tratamento para a Doença Arterial Renal

Existem três tipos de tratamento para a estenose da artéria renal: o tratamento medicamentoso, a angioplastia (“ por cateterismo”) e a cirurgia. Devido aos bons resultados e relativa facilidade técnica da angioplastia, atualmente a cirurgia convencional é pouco realizada.

Independentemente da modalidade escolhida, o controle dos fatores de risco é fundamental. Embora alguns desses fatores de risco não sejam controláveis, muitos são. Fatores de risco para essa condição que não são controláveis ​​incluem sexo, etnia, idade e história familiar. Os fatores de risco que podem ser modificados ou reduzidos incluem o fumo, sedentarismo, uma dieta rica em gordura, obesidade, diabetes não controlado, pressão alta  e colesterol alto. Essas alterações retardam a progressão da aterosclerose e aumentam as chances de sucesso com qualquer tratamento que seja considerado.

Tratamento com Medicamentos

Inclui medicações para controlar a pressão arterial e o colesterol. Isto normalmente exige o uso de ao menos 2 tipos de medicação diariamente. Se os pacientes não respondem ao uso de medicações com terapia máxima possível, há uma variedade de procedimentos que podem ser feito para restaurar
fluxo de sangue adequado através das artérias renais. Como já mencionamos, devido aos seus bons resultados, a angioplastia é a mais amplamente utilizada.

Procedimento Cirúrgicos para a  Estenose da Artéria Renal

As opções de tratamento cirúrgico da artéria renal incluem procedimentos que removem a placa que causa a obstrução de fluxo ou criam um “desvio” para o fluxo de sangue através de ponte, seja ela de safena ou de material sintético. Essas abdordagens exigem a exploração do abdome, com pós-operatório comum às grandes cirurgias abdominais.

A Angioplastia

A angioplastia é utilizada para abrir a obstrução da artéria renal “por dentro”. O cirurgião introduz um cateter a partir do braço do da virilha e, através desse canal, um cateter com um balão na ponta é passado até a área de formação de placas na artéria renal. O balão é inflado para empurrar a placa contra a parede da artéria e assim criar uma maior abertura na artéria. Isso melhora o fluxo sangüíneo pela artéria . Em alguns casos, o balão sozinho não consegue manter a artéria aberta após retirado. Nesta circunstância, um stent (um tubo de malha metálica) pode ser inserido para manter a artéria aberta.

Nos pacientes portadores de pressão alta relacionada à presença de estenose da artéria renal, a probabilidade de sucesso no controle da pressão é maior de forem submetidos à angioplastia e continuarem a tomar os medicamentos de controle. Entretanto, esse resultado pode ser significativo apenas naqueles pacientes que tiverem obstrução em ambas as artérias renais.

Poucos pacientes submetidos à angioplastia poderão parar de usar medicações anti-hipertensivas totalmente. Mas 80% dos pacientes deverão continuar a usar medicações.

Com relação à função do rim, não se demonstrou benefício da angioplastia contra o tratamento apenas clínico.